5 tendências tecnológicas que serão destaque em 2023 (parte 2)

2023 já deu as caras e, como já leu no último post de 2022, será tecnológico ao quadrado. Ao cubo! Por isso, para ficar ainda mais por dentro das tendências tecnológicas que estarão em alta neste ano, aqui vão mais 5 que não podem ficar de fora do seu radar.

 

 

1. Natureza mais editável

 

Que tal começarmos a lista com um item que tem potencial para, de fato, transformar a vida humana?

Pois fique sabendo que estamos prestes a editar materiais, plantas e até seres vivos. Pasme!

A nanotecnologia está cada dia mais avançada, possibilitando transformações com as quais nem sequer sonhávamos na década passada, e nos permitirá a criação de materiais — ou matérias! — com recursos inéditos e surpreendentes até mesmo aos fãs de ficção cientifica, como por exemplo a capacidade de autocura.

A tecnologia de edição de genes já existe faz alguns anos, é verdade, mas, em 2023, veremos a CRISPR-Cas9 evoluir bastante, permitindo que tenhamos ainda mais poder para editar a natureza.

Possibilidade que, naturalmente, nos levará a dilemas morais complexos, sem dúvida alguma, mas que poderá ser usada em prol da saúde humana (resolvendo alergias alimentares, por exemplo) ou, até, para tornar plantas mais resistentes a pragas, o que pode elevar a produtividade e reduzir a necessidade de agrotóxicos nas lavouras.

Percebe o que está prestes a acontecer bem diante de nossos olhos?

A edição de DNA, vale dizer, tem funcionamento similar à edição de um texto, na qual você pode tirar e colocar caracteres, alterando a configuração do todo. A diferença é que você consegue fazer isso com genes. Corrigindo, por exemplo, mutações problemáticas de DNA. Sacou?

 

2. Computação quântica

 

As pessoas andam cada vez mais apressadas, sem paciência para nada. Querem tudo em milésimos, pra já! Não é mesmo?

E, embora os computadores tenham evoluído muito no quesito velocidade, a computação quântica já avançou bastante e tem potencial para acelerar ainda mais o passo das coisas.

Neste exato momento, em alguns lugares do globo, acredite: está rolando uma grande disputa em prol do desenvolvimento da computação quântica em escala.

O lance é o seguinte: a computação quântica usa partículas subatômicas para gerar novas maneiras de armazenar e processar informações. Sendo assim, tem potencial real para fazer com que computadores operem um bilhão de vezes mais rápido do que os pole positions atuais. Um trilhão, talvez!

Mas há um ponto de alerta nisso tudo: a computação quântica pode inutilizar as nossas práticas atuais de criptografia.

Sendo assim, caso uma nação consiga desenvolver a computação quântica em escala, pode rolar a queda do modelo de criptografia de outras nações, corporações, sistemas de segurança e assim por diante. Percebe o risco inerente ao potencial positivo?

De qualquer forma, não tire os olhos da computação quântica em 2023, pois países como China, EUA e Rússia estão investindo caminhões de dinheiro nela e é só uma questão de tempo para que ela avance. Pouco tempo. Afinal, este é um mundo apressado.

 

3. Sistemas autônomos mais evoluídos

 

A criação de sistemas autônomos seguirá evoluindo bem rápido, especialmente quando o assunto é entrega e logística.

Já existem fábricas e armazéns com completa autonomia no mundo, e isso só tende crescer. Tornando os processos cada dia mais eficientes e rentáveis, com menos margem para erros humanos também.

Não se espante se, já em 2023, deparar com um caminhão ou navio autônomo. Ou até com um avião, por que não?

Não se assuste se, em algum momento, receber sua pizza das mãos de um robô. Ou mesmo seu Negroni. É uma tendência, um caminho sem volta.

Para ter uma noção, a Ocado, um e-commerce britânico do ramo dos supermercados, já faz uso de muitos robôs autônomos em seus armazéns. Máquinas que têm a função de classificar, levantar e mover alimentos.

A Ocado também usa e abusa da IA, que foi um dos principais tópicos da primeira parte desta lista. E, como é natural em mercados competitivos, outras empresas já estão criando modelos semelhantes, automatizando tudo que podem.

Ah, sem falar dos deliverys feitos por drones, né? Cada vez mais reais, aptos e prontos para mudar — desatolar, talvez — o campo da logística. E já que mencionei a palavra “campo”, vale dizer também que já existem drones pulverizando plantações em alguns lugares do mundo. Acredita? Mas isso fica para outro post.

 

4. Energia mais verde

 

Já falamos de IA sustentável na primeira parte da lista, eu sei… Mas, quando o assunto é tecnologia que visa causar menos impacto no meio ambiente, o negócio é muito mais amplo e merece mais detalhes. Mais atenção.

Você já deve ter ouvido falar sobre as exageradas taxas de carbono emitidas no mundo de hoje, certo? Também já deve ter escutado alguém discorrendo sobre a necessidade de iniciativas capazes de freá-las, não é mesmo?

O que talvez não tenha ouvido ainda é o termo “hidrogênio verde”. Acertei? Pois anote-o já. Na memória, que seja. Ou num post-it, sei lá.

Porque ele se trata de uma nova fonte de energia verde. Limpa. Que produz quase nada dos gases responsáveis pelo efeito estufa. Vai dar muito o que falar em 2023, com certeza.

Além disso, a descentralização da geração de energia será uma outra tendência a ser observada neste ano. Veremos, cada vez mais, pequenos geradores de energia localizados em comunidades ou mesmo em residências, capazes de torná-las independentes das grandes empresas de distribuição. Democratização.

Dessa forma, eliminando o monopólio das grandes empresas sobre os sistemas de energia, será possível reduzir a emissão de carbono e implementar modelos mais sustentáveis.

Seguindo a mesma tendência, casas que usam sistemas de energia solar e renovável ficarão ainda mais comuns e acessíveis em 2023. O mesmo ocorrerá com carros que funcionam à base de energia elétrica. E o resultado disso, além de um planeta mais saudável, óbvio, é o crescimento de carreiras, cargos e especificações com ligação direta às tecnologias verdes.

Energy specialist, por exemplo. Ou climate strategy specialist. Ou biotechnology specialist. E por aí vai. Por isso, para o bem dos seus negócios e da Terra (principalmente!), tenha em mente as múltiplas possibilidades da energia verde.

 

5. Tecnologia “de vestir”

 

A tecnologia já está avançando em tudo, nem preciso lhe dizer. Em geladeiras, TVs, porta-retratos etc.

E, se prestar atenção, notará que ela está cada vez mais impregnada nas coisas que vestimos, em roupas e acessórios.

Está em nossos tênis, em pulseiras e relógios, nos fones que usamos para correr, trabalhar e fugir um pouco da realidade barulhenta. Já chegou aos óculos também. Até neles, que já foram símbolo de envelhecimento, do antiquado.

Se antes vestíamos apenas tecidos, que independiam de wi-fi para terem função, hoje a coisa mudou, e os troços que envolvem nossos corpos necessitam de internet e energia para terem total valor, indo muito além do campo da estética e dos motivos pelos quais foram inventados.

E a tendência é que esses acessórios e objetos com os quais andamos por aí fiquem cada vez mais customizados, adaptados às nossas mais singulares necessidades e rotinas.

Fica a dúvida se nós é que estamos plugados à tecnologia ou vice-versa. Ela precisa de nós para existir ou o contrário?

A resposta, porém, não importa tanto. Ao menos para mim, que estou atrasado para minha corrida matinal feita, claro, de fone e relógio. Smart, opa se são. Sem os quais me sinto nu, confesso.

Que você tenha um 2023 incrível. E, principalmente, que encontre caminhos e formas de usar e abusar das tendências tecnológicas sem se tornar escravo delas.

 

 

Compartilhe

Escrito por: Ricardo Coiro

Depois de anos como diretor de mídia, auxiliando clientes a aparecerem nos melhores canais de comunicação, resolvi me dedicar integralmente à produção de conteúdo, às palavras pelas quais sou apaixonado desde meu primeiro caderninho.

Escrito por: Ricardo Coiro

Depois de anos como diretor de mídia, auxiliando clientes a aparecerem nos melhores canais de comunicação, resolvi me dedicar integralmente à produção de conteúdo, às palavras pelas quais sou apaixonado desde meu primeiro caderninho.

Artigos relacionados

Estamos de cara nova!

Estamos de cara nova!

Quando a Mazza nasceu, em 2 de abril de 2008, o iPhone ainda estava na...