evolução disruptiva da IA

A evolução disruptiva da IA

por | 29 maio, 2024 | Tecnologia

A inteligência artificial já virou parte integral do nosso dia a dia, presentes em nossos celulares, nas assistentes de voz, reconhecimento facial e nas redes sociais. Com a popularização e aumento na procura da IA, as grandes empresas estão se adequando a essa demanda e estão até mesmo lançando suas próprias ferramentas.

Já mencionamos antes por que devemos investir no uso da inteligência artificial, mas o que realmente podemos esperar com a evolução que estamos presenciando?

 

redes neurais

Redes Neurais

A teoria sobre a inteligência artificial vem sendo assunto desde o início dos anos 40, a partir de um modelo computacional para redes neurais baseadas em matemática e algoritmos denominados lógica de limiar. Esse modelo, pensado pelo neurofisiologista Warren McCulloch e o matemático Walter Pitts, abriu o caminho para as primeiras ideias de neurônios artificiais.

Em 1958, o neurobiologista Frank Rosenblatt, começou a trabalhar no Perceptron, a rede neural mais antiga ainda em uso.  O Perceptron é um tipo de rede neural artificial mais simples, um classificador linear, que calcula uma soma ponderada das entradas, subtrai um limite e passa um dos dois valores possíveis como resultado.

Mas o que é uma rede neural? Basicamente, a ideia por trás das redes neurais é que, se ela funcionar na natureza, deve ser capaz de funcionar em computadores. Uma rede neural artificial é um conjunto de machine learning onde ficam os algoritmos e que realizam as tarefas especificadas.

Mesmo com o neurônio de McCulloch-Pitts sendo apontado como um dos primeiros a tentar simular os processos cognitivos humanos, a ideia de produzir algo capaz de imitar um ser humano vem de muito antes disso, como indicam os documentos de trabalhos do ano de 1748, do autômato do médico francês Julien Offray de la Mettrie.

 

A Inteligência Artificial

Porém, o termo Inteligência Artificial só foi apresentado em 1956, por John McCarthy, em um encontro de cientistas e pesquisadores para discutir sobre a possibilidade de criar maquinas que se assemelhassem aos seres humanos. Mas, devido à falta de recursos da época o projeto nunca foi para frente.

Foi apenas a partir dos anos 90 que a tecnologia estava desenvolvida o bastante para continuar as pesquisas dessa área. O gatilho para essa evolução, ocorreu quando começaram a ser produzidos, computadores que seriam colocados para competir contra seres humanos em testes e jogos, como o Deep Blue, da IBM que venceu Garry Kasparov, considerado por muitos o maior enxadrista de todos os tempos, em uma partida de xadrez em 1997. O Deep Blue fazia o cálculo de 200 milhões de possíveis jogadas à frente, e o seu sistema foi mais um passo na evolução dos sistemas sofisticados. O artigo “20 Years after Deep Blue: How AI Has Advanced Since Conquering Chess” de 2017, explora o progresso da inteligência artificial desde a vitória sobre Kasparov.

 

teste de turing

Teste de Turing

Em 1950, o matemático Alan Turing, também conhecido como o pai da computação, através do artigo “Máquinas de Computação e Inteligência”, propôs um teste com o objetivo de descobrir se uma máquina poderia demonstrar a mesma inteligência de uma pessoa, o chamado “Teste de Turing”. Nesse teste, uma pessoa interage com dois participantes, um humano e uma máquina, por uma interface de texto, sem saber qual é qual. Se o juiz não puder distinguir qual é o humano e qual é a máquina com base nas respostas que recebe, então a máquina é considerada aprovada no teste. O objetivo é que a máquina seja tão “inteligente” que o juiz não consiga diferenciá-la do ser humano.

Esse teste vêm desempenhando um papel importante na evolução das IAs, já que incentiva os pesquisadores a criar sistemas cada vez mais próximos do raciocínio humano.

 

Chatbots

E é isso que está por trás dos chatbots, uma das ferramentas mais comuns de IA que temos hoje.

Mas o conceito de chatbot já existe a algum tempo, a Eliza, o primeiro robô de conversação, foi criado em 1965 pelo matemático Joseph Weizenbaum, com o intuito de ser uma psicóloga virtual, conseguindo reconhecer mais de 250 tipos de frases e interagindo com o paciente, fazendo perguntas. E esses mecanismos são utilizados até hoje!

Usando o processamento de linguagem natural (PLN), os computadores podem se comunicar com os seres humanos e também realizar tarefas relacionadas a essa comunicação, como, por exemplo, ler textos, ouvir e interpretar falas e até mesmo identificar sentimentos.

O uso dos chatbots teve um grande avanço desde sua concepção, mas também existe a questão de que, com a popularização das ferramentas de inteligência artificial, fica difícil acompanhar quais estão no “top”. E é aí que entra o Chatbot arena.

 

Chatbot Arena

O ranking Chatbot Arena, é uma iniciativa da organização Large Model Systems (LMSYS ORG) para avaliação objetiva de modelos de linguagem em larga escala. A disputa é interativa, o usuário escreve um prompt e dois modelos de IA apresentam suas respostas, sem limite de quanto pode ser utilizado. Depois disso, o usuário classifica a interação, decidindo qual das duas IA foi melhor, se foi empate ou se foram ambas ruins. As IAs só são identificadas depois da decisão.

Mas, o campo de IA não se resume apenas ao processamento de linguagem natural, também temos o processamento de imagens, vídeos, sons, entre outros. E conforme o volume de informações cresce, nós iremos aproveitar ainda mais a evolução dessa área.

 

Os impactos da inteligência artificial

Podemos perceber diversas mudanças apresentadas pela constante evolução da IA, como a melhora da eficiência em setores como saúde, finanças e transporte, ao otimizar diagnósticos médicos, previsões financeiras e sistemas de transporte, até a possibilidade de automação de tarefas repetitivas, liberando tempo para atividades mais criativas e significativas.

No entanto, também existem as preocupações e os desafios éticos que caminham com essas mudanças. Preocupações com a substituição da mão de obra humana e em torno da transparência e responsabilidade sobre os algoritmos estão sempre sendo considerados na hora de falar sobre IA. Mas, apesar dos desafios, os benefícios dessas ferramentas são consideráveis.

Com isso, a inteligência artificial é, então, uma área que procura desenvolver máquinas que tenham uma capacidade cognitiva similar, ou até igual, a dos seres humanos, conseguindo reproduzir pensamentos, tomar decisões e aprender com experiências. A rápida evolução da IA criou diversas expectativas, e já conseguimos imaginar um futuro onde ela se torna uma grande influência em nossa sociedade. Mas, a compreensão e conscientização de todos os pontos fundamentais para que essa integração seja positiva é essencial.

 

 

Compartilhe

Escrito por: Amanda Cotas

Graduanda em letras, comecei minha jornada na área como tradutora, e sempre em busca de nova experiências, hoje estou me desenvolvendo como redatora na Mazzatech. Uma ratinha de biblioteca desde criança, apaixonada pelas letras e pelo poder da comunicação, sempre tive um fascínio pela origem da linguagem e como ela influencia a sociedade em que vivemos.

Escrito por: Amanda Cotas

Graduanda em letras, comecei minha jornada na área como tradutora, e sempre em busca de nova experiências, hoje estou me desenvolvendo como redatora na Mazzatech. Uma ratinha de biblioteca desde criança, apaixonada pelas letras e pelo poder da comunicação, sempre tive um fascínio pela origem da linguagem e como ela influencia a sociedade em que vivemos.

Artigos relacionados